terça-feira, 12 de julho de 2011

Um murro na mesa para começar acabar com os corruptos e a corrupção


Dilma faz a coisa certa: dá um murro na mesa

Alguém, algum dia, uma hora qualquer tinha que fazer isso mesmo: dar um murro na mesa e acabar com esta história de lotear o governo entre os partidos aliados, entregando ministérios de porteira fechada para cada um cuidar do seu feudo sem dar satisfações a ninguém.
Se antes tudo era feito em nome da "governabilidade", o fato é que, na prática, o país estava ficando ingovernável. A possibilidade aventada pelo PR de chamar Alfredo Nascimento para participar da escolha do sucessor de Alfredo Nascimento pode ter sido a gota d'água. Passaram da conta, o custo ficou alto demais, como se dizia antigamente.
Para ninguém dizer que estou ficando muito metido e abusado, vou reproduzir aqui o último parágrafo do post publicado ontem sob o título "Está na hora de chamar a benzedeira":
"Para tudo, no entanto, tem que haver um limite. Tenho certeza de que se a presidente começar pelo Ministério dos Transportes a fazer uma limpa geral e passar a dar maior valor à competência técnica e à ficha limpa dos ministros para gerir os destinos do país, ela terá todo o apoio de quem a elegeu, e até de quem não votou nela."
Não tenho a pretensão de achar que a presidente Dilma tenha tempo para ler meu modesto blog, mas foi exatamente desta forma que ela agiu, sem consultar o PR nem ninguém, ao confirmar o nome de um funcionário de carreira para ocupar definitivamente o cargo de ministro dos Transportes.
O técnico Paulo Sérgio Passos trabalha no MT há quase 30 anos, era secretário executivo e exerceu duas vezes interinamente o cargo de ministro quando o titular Alfredo Nascimento se afastou para disputar eleições, em 2006 e 2010. Estava como interino novamente desde a semana passada, quando Nascimento caiu pelo conjunto da obra que vinha executando desde 2004.
Os dirigentes do PR, o Partido Republicano (!) que se apropriara do Ministério dos Transportes, não gostaram da forma como agiu Dilma Rousseff, é claro. Afinal, perderam o comando de um orçamento anual de R$ 16 bilhões, um dos maiores da República. Dizem que o partido ficou "incomodado". E daí?
A presidente Dilma certamente sabe os riscos que está correndo com sua base aliada cada vez mais insatisfeita e beligerante. Mas, se ela não fizesse isso agora, perderia o controle do poder e a autoridade para impor sua própria forma de governar.
A indicação de Passos, desta forma, pode ter sido apenas mais um capítulo da mudança no governo iniciada com a nomeação de Gleisi Hoffmann para comandar a Casa Civil, em lugar de Antonio Palocci, que a presidente também anunciou sem ouvir ninguém.
Até onde vão a fôrça e a disposição para Dilma montar um time à sua imagem e semelhança, mudando hábitos políticos arraigados há séculos, não sabemos. Se vai dar certo, também não posso garantir.
Aconteça o que acontecer, porém, pelo menos por algum tempo voltamos a ter esperança de viver num país mais decente sem ter que sair do Brasil.
Ps:. Um pequeno empresário, dono de gatinha e que tem obrinhas, daquelas que o gato costuma enterrar, mas dá para pagar a cervejinha, o cartão de crédito e o final de semana na praia, depositou um presentinho na conta de um SPF e o Banco comeu o "tôco", pedágio ou qualquer nome,  porque o mesmo estava devendo ao nosso Banco, de todos os brasileiros,  que vale OURO, o jeito foi mudar a conta para o próximo ou próxima remessa, no caso uma parceira, tão sabida como os banqueiros... - Fechando as cortinas e a conta corrente. kkkkkk

Nenhum comentário:

Postar um comentário