quarta-feira, 23 de junho de 2010

Chuvas em Pernambuco causam mortes e destruição

Quarta, 23 de Junho de 2010 13:46
ImprimirE-mail
Sobe para 15 o número de mortos por conta das chuvas
  
A Coordenadoria de Defesa Civil de Pernambuco (Codecipe) informou, nesta quarta-feira (23), que o número de mortos no Estado por conta das chuvas subiu de 12 para 15. Os corpos foram encontrados ontem (22), um no município de Barreiros e os outros dois em Água Preta.

Todavia, o número de desabrigados e desalojados permanecem 15.808 e 24.552, respectivamente. As defesas civis municipais e técnicos da Codecipe permanecem em campo auxiliando os agente no levantamento desses dados.

http://www.folhape.com.br/index.php/noticias-geral/33-destaque-noticias/576130-sobe-para-15-o-numero-de-mortos-por-conta-das-chuvas

As mortes em Pernambuco e Alagoas é culpa do ex-ministro Geddel Vieira Lima



Governo movido a tragédias 

Antes de serem atingidos pelas enchentes, Pernambuco e Alagoas foram vítimas da política desajustada do governo federal na prevenção de desastres. Uma análise sobre os recursos aplicados pela União entre 2004 e 2009 revela uma clara preferência à Bahia, berço eleitoral do ex-ministro da Integração Nacional Geddel Vieira Lima. Reunido em Brasília, o Gabinete de Crise anunciou uma ajuda emergencial de R$ 100 milhões, em duas parcelas, para as áreas devastadas. Só em 2010, o governo gastou R$ 3 bilhões, por meio de medida provisória, para as chamadas “ações imprevisíveis”.
O jogo político dá nisso
Tragédia das águas


De 2004 a 2009, 37% dos recursos reservados a obras preventivas de desastres foram destinados à Bahia, estado do então ministro da Integração. Devastados pelas chuvas, Pernambuco ficou com 8,9% e Alagoas, com 0,3%.

Enquanto as chuvas castigam os estados de Pernambuco e Alagoas, números do próprio governo federal mostram que o uso político das verbas públicas resultam em tragédia. De 2004 a 2009, a Defesa Civil reservou R$ 933 milhões no Orçamento da União para obras preventivas de desastres. Desse total, apenas R$ 357 milhões foram pagos. Mas 37% desse dinheiro foram parar na Bahia, estado do então chefe da pasta de Integração Nacional, o deputado Geddel Vieira Lima (PMDB-BA). Ele foi oficializado anteontem como candidato ao governo baiano, em solenidade que contou com a presença da pré-candidata a presidente Dilma Rousseff (PT). Os dois estados mais afetados pelas enchentes desta semana receberam poucos recursos. Pernambuco ficou com 8,9% do total, enquanto a Alagoas foram destinados escassos 0,3%. Em 2010, a situação se mostra ainda pior. A Bahia ganhou mais dinheiro que todos os demais estados juntos (56% do total). Pernambuco ficou com 0,24% e Alagoas não recebeu um único centavo. 


  • Lúcio Vaz



  • https://conteudoclippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2010/6/23/governo-movido-a-tragedias




  • fotos: http://www2.uol.com.br/JC/sites/chuvas/index.html





  • sexta-feira, 11 de junho de 2010

    Raul Jungmann é ficha suja?

    sexta-feira, 11 de junho de 2010

    Raul Jungmann é ficha suja?

    Por que Raul Jungmann desapareceu do programa do PPS?

    O programa falou em ficha limpa. Então a ficha de Jungmann já está suja?

    O partido que se auto-proclama decente, e o mesmo que tem entre suas maiores lideranças Raul Jungmann (PPS-PE), aquele que entrou com representação contra o juiz federal Fausto Martin De Sanctis junto ao CNJ (Conselho Nacional de Justiça), após a Operação Satiagraha, e mereceu repúdio da maioria dos juízes federais.

    Antes disso, Jungmann foi denunciado pelo Ministério Público, por improbidade administrativa no esquema de desvio de recursos do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) quando foi Ministro do Desenvolvimento Agrário de FHC.

    Ele foi acusado de torrar 33 milhões de reais em verbas publicitárias do Incra para vitaminar empresas dos seus amigos do peito, a exemplo da RNN, da esposa do jornalista Ricardo Noblat. O MPF encontrou corrupção nos termos aditivos irregulares, subcontratação de empresas fantasmas, compra de notas fiscais frias, pagamento por serviços não prestados, superfaturamento, entre outros.

    Jungmann também foi alvo de auditoria aberta pela Controladoria Geral da União (CGU) para apurar gastos irregulares com massagista em hotel de luxo no Rio de Janeiro, quando foi ministro de FHC.

    Secretário de Saúde do mensalão do DEM também não apareceu

    Augusto Carvalho (PPS/DF), ex-secretário da saúde do governo de José Roberto Arruda (ex-DEMos), também não aparaceu no programa. Nas gravações do mensalão do DEM, ele é citado como envolvido em esquema de propinas na secretaria.

    Para o povo, os R$ 12 mil de jeton para Roberto Freire, suja a ficha

    Roberto Freire, presidente do PPS, está na boquinha dos "conselheiros" da Empresa Municipal de Urbanização e da SPTurismo da prefeitura de São Paulo, apesar de ter feito toda a sua vida em Pernambuco, e não entender nada da administração paulistana.

    Nomeado pelo prefeito Kassab (DEMos/SP) depois que seu partido apoiou o prefeito paulista, Freire recebe R$ 12 mil mensais de jetons, pagos pela prefeitura, apenas para assinar o ponto em raras reuniões.